domingo, 29 de agosto de 2010

Alta Fidelidade!

Ando um pouco displicente por aqui...a correria tá grande e até parar para escrever tá dificil.
Hoje passo aqui para deixar uma trechinho de um livro que li e amei. "Alta Fidelidade".

(...)"Tenho a impressão que se a gente coloca a música (e livros, provavelmente, e filmes e peças e qualquer coisa que faça você sentir) no centro da nossa existência, então não dá pra organizar a vida amorosa, não dá pra pensar nela como um produto acabado. Você tem que mexer com ela, mantê-la viva e tumultuada, mexer com ela e dentro dela, até que ela se desmancha e você se vê compelido a começar tudo de novo. Talvez todos nós vivamos a vida num ritmo rápido demais, aqueles de nós que absorvem coisas emocionais o dia todo, e como consequência nunca conseguimos nos sentir meramente contentes: temos que estar ou infelizes ou em êxtase, desvairadamente felizes, e estes estados são difíceis de atingir dentro de um relacionamento estável e sólido."(...)
                                                     Nick Hornby
                                               

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Zeca Baleiro e seu "Concerto"!!

                                             Foto: divulgação
Zeca Baleiro não poderia ter escolhido nome melhor para seu novo show: "Concerto".
Uma musicalidade que arrepia quem admira um instrumento bem tocado.
Dividem o palco com Zeca neste show: Swami JR.(violão de 7 cordas e vocal) e Tuco Marcondes (Violão, guitarra, bandolim, gaita e vocal).
Logo no começo do show Zeca explica que a idéia deste show, que comemora 13 anos de carreira, surgiu no ano passado da vontade dele de dividir o palco com esses dois músicos "são meus ídolos"! Ano passado eles chegaram a fazer tres shows neste formato experimentando coisas.
Ele abre com a bela "Barco" de Chico César e depois desfila um repertório novo em folha. Um show que paraliza quem curte boa música com letras para desgustar e admirar aquele show de cordas no palco.
Zeca conversa com a platéia como um maestro, com um humor inteligente. Interage, faz a platéia ficar ali se sentindo na sala de casa, numa bela noite de inverno com música que faz bem a alma.
Uma das histórias contadas por ele é sobre a música que fez pro Michael Jackson, na época dos escândalos envolvendo o astro. Zeca Conta que viu uma foto em uma revista na banca de Michael chorando. Chegou em casa e fez a música "Canção para Ninar um Neguim" (...) "neguim jeitoso/é perigoso viver sim senhor/tem espinho e tem flor/neguim moderno/o inferno é frio e no céu faz calor/traz teu cobertor"(...) disse que escreveu pensando em estar ninando o ídolo. 
Também fez uma gostosa brincadeira com os absurdos das letras de mestres ou nem tanto da música brasileira. Provocou a platéia para que se lembrasse de frases absurdas mas avisou: "não vale falar das minhas, nem pagode, nem brega". Brincou falando do Djavan e  Zé Ramalho, "eles também estão fora da disputa"...o Djavan segundo ele faz poesia combinando com acordes "no seu mar de raaaaio" e Zé Ramalho "é muita viagem". No final do show ele fez a plateia se manifestar e quem lembrasse a frase mais esdrúxula ganharia uma taça de vinho. O prêmio ficou com uma moça que lembrou a frase "Eu teria mais herdeiros/Que um coelho.." da música "Por Você", do Barão Vermelho.
Mostrou ainda músicas antigas, de outros cantores, com uma nova roupagem, aquelas que fazem parte da memória afetiva. Outras novas com letras divertidas como "Milonga del Mejor" que fala da eterna disputa de quem é melhor Maradona ou Pelé. Ou ainda a "Armário". Essa engraçadíssima falando da situação de quem tem medo de sair do armário.
Zeca se aproxima da platéia de uma forma gostosa, sincera. Sempre muito bom ouvir e ver.
Está lançando dois CDs "Concerto" e "Trilhas".  Para quem curte o trabalho dele, recomendo.
Foto:divulgação
Ahh sim, dos sucessos cantou "Bandeira", "Telegrama" e "Babylon" (essa eu amo)! Mas se perguntarem para quem esteve lá se sentiram falta de mais músicas já batidas do repertório aposto que vão dizer que não. Para quem tem um Zeca contador e cantador de histórias com a maestria da simpatia e simplicidade e mais dois monstros das cordas no palco, não sente falta de mais nada!
Tomara que esse show volte...
Parabéns a Orth produções...sempre mandando ver na qualidade dos shows que traz à ilha!

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Show de lançamento dos Cds da Tijuquera!

Na ultima quarta feira vivemos mais um daqueles momentos saborosos da música catarinense: a banda Tijuquera lançou seus dois novos CDs, Rocksteady e 5, em um show muito bem preparado em ambiente muito gostoso e rodeados de amigos.
Foi a primeira vez que o Taykô do Shopping Iguatemi recebeu um show de uma banda.
Foi montado um palco, uma bela iluminação e como cenário a foto que faz referência a ultima viagem à europa dos músicos ilhéus e que está na capa dos cds lançados.
No repertório as músicas novas, nem todas é verdade, mas boa parte.
Lamentei somente a ausência de Músculo, interpretada por Emilia Carmona. Fica o pedido para os próximos shows.
Na platéia Eveline Orth, Nani Lobo, Pedro Leite, Carlos Trilha, Luiz Meira, Fábio Della, Henrique e Lange que vieram de Sampa para prestigiar a banda, Gazu, Gerry, Andrey,  além de um punhado de amigos, outros músicos, jornalistas (turminha da TVCOM, RBS, Kzuka, Atlântida) produtores e fãs.
O show foi lindo. A Tijuquera saiu do essencialmente percussivo e agora tem uma pitada eletrônica de muito bom gosto. As letras continuam lindas!
Foi uma noite muito gostosa.
Bom saber as novidades de Carlos Trilha, músico catarinense radicado do Rio. 
Bom  ver a família Costa vibrando na frente do palco e muito bom saber que o espaço foi aprovado para shows. Tomara que a idéia vingue!

Para quem ainda não conhece os novos trabalhos da banda vai lá no site e dá uma olhada.
vale à pena!
www.tijuquera.com.br

Parabéns à banda...e aguardem: vem aí temporada da Tijuquera na Célula, para recuperar os bons tempos de bailinho!!!!!
  

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Um reflexão sobre a música independente e a pobreza!!

Hoje, minha amiga e produtora cultural Ariela Grubert me mandou um texto com o qual concordo integralmente!
Quem mandou para ela foi Leo Salazar.
Ele consegue decifrar em um belo texto a relação absurda que os ditos "intelectuais" insistem em fazer entre pobreza e indepnendência. 
Por isso resolvi transcrevê-lo aqui:

 "Aqui no Brasil existe um paradigma, uma mentalidade, de que quanto mais precária for a estrutura do músico, tanto mais independente será sua carreira e mais autêntica sua obra.
Esse modelo de trabalho sacrificante é louvado por muitos, não apenas músicos, como também jornalistas e até produtores. É um grande equívoco. Se fosse para ser assim, o patrono dos músicos seria São Francisco de Assis, e não Santa Cecília, que pertencia a uma tradicional família de Roma.
Lembro o caso de Neilton Carvalho, guitarrista do Devotos. Por falta de recursos, ele improvisou sua guitarra com material de sucata. Ele não tinha opção. Me disse, certa vez, que ele gostava, e gosta mesmo, é de instrumentos e equipamentos de boa qualidade. Mas a imprensa e a gravadora BMG, na época do lançamento do primeiro disco, queriam apenas chamar atenção para esse fato pitoresco: “banda pobre da
periferia do Recife”.
Ninguém, nem o pobre, por opção, escolhe a pobreza. Isso é comportamento de jovem e intelectual de classe média, que vê no culto à pobreza uma forma de deleite sociológico.
Como dizia Joãozinho 30, o carnavalesco: 'quem gosta de pobreza é intelectual; pobre gosta de luxo'."

Disse tudo!
É aquela velha história, músico ou banda quando é desconhecida é ótimooo, quando consegue sucesso, aparece em novela, ou programas populares é porque se vendeu!
Haja...

domingo, 1 de agosto de 2010

Dizzy Forever!!!

foto: divulgação


Na ultima sexta feira, finalmente, fui conferir a festa "Dizzy Forever"!!!
Que festa boa!
Para quem ainda não sabe, a Dizzy era uma boate que funcionava na esquina da Beira mar norte (ao lado de onde hj é o El Divino), e era a coqueluche da cidade nos anos 70, 80. Eu não cheguei a ser frequentadora assídua da melhor fase da boate, vim a conhecer quando já estava prestes a fechar, mas consegui sentir um pouquinho do que era a "boate Dizzy".
Era um tempo em que os DJs estavam começando a ter "status" de estrelas da noite, mas principalmente, um tempo que tinhamos músicas maravilhosas. Talvez seja saudosismo meu, mas para mim nada bate as músicas daquele tempo. Tanto os sucessos internacionais com Talking Heads, Michael jackson, Prince etc.. ou ainda a era "disco" com Tina Charles, Tavares, Bee Gees e por aí vai, como nossa música pop brasileira estourando com Blitz, Paralamas, Titãs... são sucesso na pistinha!!!
E tudo isso está lá na noite "Dizzy Forever". 
O Floripa Music Hall tem seu espaço reduzido pela metade e aquilo fica lotado. Um público que vai dos jovens antenados no passado até os mais velhos que se soltam e lembram as dancinhas da época!
A noite abriu com clips na tela comandados pelo Vj André Costa. E só aquilo já valeu à pena. 
Ver os clipes da época é de hipnotizar qualquer um: cabelos black power, penteados gigantes, coreografias e figurinos que hoje nos parecem engraçadissimos. Muito bom!!!!
Depois a noite seguiu com os Djs Xande Fontes e  Anderson Negão. 
Posso dizer que, com certeza, pra quem gosta de dançar e chacoalhar a vida, esta festa é o endereço certo!
Adorei e certamente vou de novo!
Parabéns à produção ao Vj e aos Djs.
E obrigada à família Lohn pelo convite! Foi uma noite maravilhosa!
Até a próxima!!