sexta-feira, 3 de outubro de 2008

"Religião nem Deus Aguenta" - Rodolfo Abrantes

Ouvi a entrevista do Rodolfo (ex-Raimundos, hoje Bola De Neve), feita pelo meu querido Marcos Espíndola e Dorva Rezende, ambos do Diário Catarinense. Grande papo. Recomendo.
Além de toda a curiosidade sobre essa transformação do cara que vivia no mundo de drogas e rock'n'roll em um discipulo de Jesus, o papo mostra um cara de bem com suas escolhas.
Esperava encontrar um cara radical que nega o passado, mas nada disso. Ele fala com muito amadurecimento de todo esse processo. Explicou a saída de uma forma simples: "Eu me tornei uma coisa que não cabia mais no Raimundos". Assumiu que saiu de forma errada, sem ser claro porque estava saindo. Hoje tem pouco contato com os ex-companheiros, mas no velório do pai dele reviu alguns deles e foi um bom encontro. Tem certeza que em pouco tempo eles vão reatar uma amizade presente e vão rir muito de tudo que aconteceu.
Hoje ele mesmo monta seus instrumentos para um show, não tem roddie, não tem aquele glamour, mas tem a simplicidade "e que coisa gostosa que é a simplicidade".
E o mais legal é que ele sabe que tudo que ele viveu foi fundamental para estar hoje em harmonia com ele mesmo. Disse que não tem intenção nenhuma de se isolar em um templo e achar que está salvo, muito pelo contrário: é preciso estar inserido nessa sociedade real até para poder trocar experiência.
Fez uma análise da música daquela época e a de hoje que achei perfeita: "No começo da década de 90 o que se via eram bandas extremamentes regionais fazendo sucesso nacional: Skank, Pato Fu super mineiros. O Chico Science era a cara de Recife. Planet hemp era muito carioca. Raimundos era a cara do Nordeste, apesar de ser de Brasília. Hoje o que a gente vê são bandas brasileiras com cara de gringo, desde o visual até no som."
E o principal: nunca foi tão feliz em não precisar mais fumar maconha para se sentir bem. Vive bem, longe de faturar o que os Raimundos faturava, mas está com as contas em dia.
Eu não gosto de nada que torne as pessoas radicais, que pregue o isolamento para ser feliz, que faça a pessoa se colocar em uma posição elevada diante das que não estão na mesma religião. Por isso gostei muito de ouvir o Rodolfo. Ele não se coloca acima de ninguém, apenas assume que hoje ele não curte mais certas coisas que curtia há alguns anos. Segundo ele "Religião nem Deus aguenta" aquele negócio de pregar o que vc não vive. Concordo plenamente.
Palmas prá ele.
Loucura? " Não tem nada mais louco de ver um ex-integrante da Raimundos pregando a palavra de Deus." É verdade!
Quer saber mais??? Vai ali no Blog do Marquinhos e procure o link para a entrevista.

2 comentários:

Marceli disse...

Oi tia, achei legal esse teu blog, uma boa iniciativa, e gostei da reportagem também, esse cara é um exemplo de superação e personalidade, me lembro como os fãs caíram em cima dele quando ele apareceu nas revistas dizendo que virou crente.

Parabens pra ele e pra voce também, pelo blog. Espero que faça muito sucesso.

Beijinhos

Bel disse...

Oi, Ligia.
Entre o discurso e a ação sempre há o sentimento. Ele que torna tudo verdadeiro. Adorei tua análise sobre a entrevista e tens toda razão ... qualquer um que regogite meias verdades não prendem nossos olhos. Que ele e nós possamos nos tornar cada dia mais espiritualizados em nossa fé própria e em nosso compromisso de um mundo melhor.
Um beijo, Bel