quinta-feira, 25 de abril de 2013

Somos Tão Jovens!!!!




Ontem fui a convite do Cinemark e Floripa Shopping assistir a pré-estreia do filme "Somos Tão Jovens".
Florianópolis foi uma das 8 cidades brasileiras escolhidas para ter ume pré-estreia simultânea, com direito a transmissão ao vivo do tapete vermelho pelo Tele Cine. E a escolha de Floripa, com certeza, aconteceu porque o filme tem uma bela mão catarinense. Já explico! Vamos ao filme!!!


Olha...assistir ao filme foi uma bela viagem ao tempo, ao meu tempo!

Minha nossa, estavam ali as fitas cassetes, as festinhas de turminhas, os encontros em casa para ouvir música, a revista Pipoca Moderna, a fase de tantas descobertas. Quem estava perto de mim me ouviu dizer: minha nossa eu tinha isso, gente eu assinava essa revista...caraca... rsrsrsrs
Mas o maior presente do filme é fazer a gente conhecer a história de Renato Russo antes da fama, como tudo começou. A história do "Aborto Elétrico", a primeira banda de Renato.


O filme conta a historia de Renato quando ainda nem era músico. Revela o clima que vivia Brasília entre os anos de 1976 a 1982. Com muitas bandas surgindo, músicos tocando aqui e ali mudando de banda, de turma.
Conta como surgiram músicas como "Veraneio Vascaina", "Geração Coca Cola", "Eduardo e Mônica", "Ainda é Cedo", "Que pais é este". Como a "Aborto Elétrico" deu origem as bandas Legião Urbana e Capital Inicial.

Eu sempre fui fã do Legião pelas letras de Renato. Incríveis...desde as letras de choque de realidade como geração "Coca cola" e "Que país é este" como as que falam de amor e vida...ele era Mestre!

O filme mostra as inspirações, as inquietações. Tem pitadas de humor, tem tensão, brigas entre amigos. Tem a personalidade forte de Renato que adotou o nome Russo em homenagem a filófosos que ele admirava.

Pra quem curte Legião o filme é obrigatório, mas para quem nunca curtiu muito, ou teve pouco contato o filme também vale à pena.

                                         O ator Thiago Mendonça transformado em Renato.

A semelhança do ator Thiago Mendonça com Renato é assustadora. O cara não só ficou a cara do Renato como também tem o mesmo timbre de voz...impressionante.

                           Foto da época reproduzida com os atores: semelhança incrível em cada um!

E neste quesito "atores fieis em aparência com personagens reais " o filme é um dos melhores que vi: Tirando o Dado que foi interpretado pelo próprio filho e aí até se explica a semelhança, a produção foi muito feliz em buscar pessoas semelhantes. O ator que faz Herbet Vianna é igual, o mesmo com Dinho, muito bom!


Vale aqui destacar a direção musical do catarinense Carlos Trilha. Trilha esteve ao lado de Renato nos últimos anos de vida do cantor e compositor. Gravou, dirigiu os últimos trabalhos de Renato, ou seja, é um profundo conhecedor. E no filme conseguiu dar alma musical. Todas as músicas, as performances ao vivo que aparecem no filme foram gravadas pelos atores. O próprio diretor do filme, Antônio Carlos da Fontoura, em entrevista antes no tapete vermelho falou: "o filme só teve essa qualidade musical graças ao trabalho de Carlos Trilha". E realmente tá lindo!

Acho que o maior mérito do roteiro foi justamente não contar a historia que todos sabem e sim revelar a base de tudo aquilo que quem curtiu a Legião viveu.
Muito bom!

Recomendo muito.
O filme estreia dia 3 de maio nos cinemas...corre lá!

Mas por enquanto...olha o Trailer!

http://www.youtube.com/watch?v=xa3izIueaE4


segunda-feira, 22 de abril de 2013

Djavan em sua Rua dos Amores!!!



 Sexta feira fui assistir ao show de Djavan! E não tem como começar a falar deste show sem antes falar da banda que esse cara conseguiu reunir no palco: Carlos Bala (bateria),  Glauton Campello (teclados), Jessé Sadoc (trompete), Marcelo Mariano (baixo), Marcelo Martins (saxofone), Paulo Calasans (teclados) e Torcuato Mariano (guitarra). A nata da experiência e do talento ali, reunida...coisa linda de ser, de se ouvir.




Djavan passa a ser mais um talento ali...e não tem medo algum disso, afinal, dividir o palco com a competência desses músicos deve dar uma segurança única. E eles acompanham o músico há anos.
Lindo!




Cenário com folhas de papel penduradas e uma iluminação de arrepiar contribuíram para dar aquele clima romântico que só o Djavan sabe dar.


Bom, claro que em muitos momentos me peguei babando literalmente no instrumental e até esquecendo um pouco o Djavan. Principalmente nas músicas que não tinha tanta intimidade.



Djavan foi parte muito presente da minha trilha musical nos anos 80/90, depois fiquei um pouco distante. Mas meu trabalho preferido dele é "Novena" de 1994, do qual a maioria dos músicos presente no show participou. E a sonoridade de "Novena" é única.

 
 

De uns tempos pra cá me afastei um pouco da obra musical do Djavan, mas ver ele ao vivo é sempre bom ao coração.




Em "Rua dos Amores" ele cantou novas composições e "Vive" me emocionou "Vive...
Deixa o tempo resolver/O que tem que acontecer/ Livre!" Linda a música!



Além das novas...Djavan cantou clássicos como "Meu bem Querer" que levou lá pra época em que eu nem sonhava em ser jornalista..."Samurai" que me lembrou a primeira vez que encontrei Djavan. Era aquela época em que eu is com algumas amigas, entrevistar artistas sem saber que já estava treinando para minha profissão. As entrevistas na verdade era uma forma de a gente chegar perto dos artistas sem aquele ar de "tiete" e simplesmente conversar com eles. E Djavan foi especialmente atencioso.

                                      A primeira vez que falei pessoalmente com Djavan...

Nosso encontro neste ano...as coisas mudaram muito rsrsrsrs

Enfim, foi um show para recordar e lembrar o poder que tem a música de nos fazer viajar pelo tempo. E a capacidade que tem o artista que vive a música de forma visceral, inspiradora!






Parabéns Djavan! Foi uma noite e tanto!!!!





Uma observação: alô Fundação Catarinense de Cultura de SC, é uma VERGONHA, um teatro como o CIC não ter sequer um café, um bar descente para atender que vai aos shows, exposições e atividades no lugar. Descaso, falta de visão...é lamentável!!! Que volte o café Matisse, ou que se coloque outro bar ali...é urgente e é respeito ao público.
 


quarta-feira, 10 de abril de 2013

Liberdade!




"Liberdade...quando a gente entende o sentido desta palavra e passa a fazer dela um verbo e não somente um substantivo, entende o que é uma relação saudável.
Ser livre não é viver em função de alguém, é viver prá você. E quando você vive pra você, você se sente bem, se sente inteiro e se sentindo bem e inteiro atraímos os que estão também em festa!
Sim...não existe mar de rosas...existe sim um mar que numa manhã está com águas paradas e cristalinas e na outra pode estar com ondas enormes e todo mexido e é disso que se faz um grande mar...uma grande vida!
É assim que sente quem tem coragem ... é esse o meu caminho!"
                                                                      abril, 2005

[Esse é mais um texto de uma série que escrevi há anos e agora resolvi abrir o baú....rsrsrs]